Quem pilota como o Ken?

31 07 2010

Ken Block: Piloto de rali mas poderia ser de fuga também...

Ken Block, piloto norte-americano de rali da WRC, foi o protagonista deste video espetacular a bordo de um Subaru Impreza WRX STI versão hatch preparado, com mais de 560cv. Técnicas de Drift, rali, e até de fuga se bobear, fora o show de imagens em slow-motion. Enfim, não quero me alongar muito, quem é capaz de pilotar assim? O Ken é…

Emerson Martinez.

Anúncios




Subaru Impreza WRX STI 22B 1998

19 07 2010

22B: 399 campeões de Rali...

Assim como os anos 60 foram a década de ouro para os Muscle Cars, os anos 90 representaram igual júbilo para os esportivos de grande potência japoneses, os chamados “Rice Rockets” . Entre estes vamos destacar hoje o Subaru Impreza ou melhor ainda a raríssima versão 22B.

O 22B foi apresentado em 1998 para comemorar os 40 anos da montadora Subaru, conjuntamente com o terceiro título consecutivo de Rali pela WRC, isso quando os Subarus Impreza que disputavam os Ralis eram cupês duas portas e não sedãs. O modelo foi denominado 22B, pela cilindrada que era de 2.2 litros, e o ‘B’ de Bilstein, fabricante das suspensões que equipavam este Impreza.

A clássica pintura azul com rodas BBS douradas.

Tri-Campeão Mundial de Rali em 1998

Foi em apenas 48 horas que se esgotaram as 399 unidades do 22B que pouco se diferenciava externamente do WRX  “comum” a diferença mais vísivel são as bitolas dos eixos alargadas, o que lhe deu uma aparência mais “musculosa”. Aliás, não só na aparência como na prática também, O Impreza 22B debitava para quem quisesse conferir, 350cv.

Parte desta potência, ou mais precisamente 70cv, precisava ser ocultada, já que no Japão existia uma lei que restringia a potência máxima de veiculos automotores em 280cv. Potência esta divulgada em praticamente todos os grandes esportivos nipônicos, alguns tinham exatamente esta potência, outros na verdade um pouco mais.

Neste motor: 70cv ocultos...

E haja pinça pra estancar o garoto!

Este Subaru tinha de fábrica o que muito playboy se mata para instalar em suas fabriquinhas de multas, senão vejamos: pneus 235/40 ZR17 Pirelli P Zero, embreagem de cerâmica, já falamos da suspensão Bilstein, rodas BBS douradas, e claro o item mais importante um motor boxer de 4 cilindros que se bobear despacha até BMW M3…

Dos escassos 399 modelos, 25 foram exportados, a maioria para o Reino Unido e tinham a inscrição “Type UK” e destes 25, três receberam a placa ‘000’ (todos os 22B eram numerados) sendo que dois foram presenteados aos pilotos campeões pela Subaru na época; Nicky Grist e o já saudoso super campeão Colin McRae.

Os 2 campeões da Subaru ganharam seus 22B com numeração '000'

Já eu não posso presentear vocês com um 22B, mas fica aqui um wallpaper...

Na minha opinião o 22B é o melhor Impreza já lançado, uma pena que em versão limitada, nos EUA tentaram inclusive reproduzir parte deste “pacote” em outros WRX. Mas não tem jeito, pra ter possuído um só disputando a tapa com um japonês na porta da Subaru em 98, ou sendo campeão mundial de rali.

Videos: Um video em duas partes explica em detalhes o carro, depois um super comparativo com ele, Jeremy Clarkson do Top Gear, e pra fechar uma volta com Colin McRae, o eterno…

O melhor Impreza já feito, fim de papo.

Fabricante: Subaru Automobile – Ōta, Gunma – Japão

  • Motor: 2.2 litros, 4 cilindros contrapostos
  • Potência: 350cv @ 6000rpm
  • Torque: 37 mkgf @ 3200rpm
  • Peso: 1270kg
  • Relação peso/potência: 3,62kg/cv
  • 0-100 km/h: 4.6s
  • 0-160 km/h:  11.5s
  • 0-400m: 13.1s  @ 172km/h
  • 0-1000m:  24.9s
  • Velocidade Máxima: 252 km/h

Fonte: sites www.torquestats.com e www.fastestlaps.com

Autor: Emerson Martinez





Ford Sierra Cosworth RS 1986

31 03 2010

Sierra Cosworth : O paciente inglês.

Carente de vitórias em pistas européias, desde as conquistas do exterminador de Ferraris GT40.  A Ford queria retomar o caminho do sucesso, para tal a Ford inglesa reativou a antiga parceria com os engenheiros da Cosworth.  Eles estavam trabalhando em um novo motor denominado YBB que possuia 180cv. Para que ambas as partes apertasssem as mãos, a Ford exigiu que o motor ‘Cossie’ tivesse no minimo 204cv.

Por outro lado a montadora se comprometeu a comprar 15.000 motores, 10.000 a mais que o previsto inicialmente, o carro escolhido seria o médio Sierra e…Done Deal! Nascia o Sierra Cosworth RS, que foi apresentado ao mundo no Salão de Genebra em Março de 1985.

O exagerado aerofólio livrava o Sierra de turbulências em altas velocidades.

O  motor Cosworth do Sierra era equipado com uma turbina Garret T3, e rendia 204 cavalos à 6000 rpm, com poucas alterações podia-se subir até 300, 325 cavalos, extraindo um excelente desempenho. O Sierra Cosworth foi um dos últimos fords europeus com tração traseira e nas suas últimas edições passou a ter tração integral. Outra versão esportiva mas sem tanta audácia era o XR4, que chegou a ser exportado para os EUA com o nome de Ford Mercur.

Belas linhas...coisa rara nos anos 80...

 O Sierra obteve relativo sucesso no turismo britânico (BTCC) assim como no mundial (WTCC) disputava também as provas de rali do grupo B, logo após a restrição de potência que sofreu esta categoria. em 1986. O Sierra além da Europa era produzido também na Argentina e África do Sul, o modelo africano em sua versão esportiva (XR8) possuia um motor Ford 302 V8, e era exportado também para a Inglaterra, porém seu desempenho era equivalente ao do Cosworth britânico.

 
 O Ford Sierra antecedeu o Mondeo, lançado em 1993, no entanto coube ao Escort levar adiante a estirpe Cosworth, bem como o nome Ford nas competições de rali e pista, o Sierra Cossie no entanto se tornou já um novo clássico e ainda é muito utilizado em provas de rali amadoras, ou até mesmo pegas de rua no norte da Europa com alguns cavalos de potência extra.

Fim de uma Era: último Ford europeu com tração traseira.

Video: Um Sierra Cossie com muitos cavalos extras exilado no Japão.
 

 
Ficha Técnica:
 
 
Fabricante: Ford of Britain – Brentwood, Essex – Reino Unido
 
 
Preparador: Cosworth Automotive Engineering – Northhamptom, Reino Unido
 
 
Motor:
  • Cilindrada: 2.0 litros
  • Torque: 28,2 kgfm @ 4500rpm
  • Potência: 204cv @ 6000rpm
  • Relação peso/potência: 6,12 kg/cv

Dimensões:

  • Comprimento: 4,46m
  • Largura: 1,73m
  • Peso: 1250kg

Desempenho:

  • 0 a 100km/h: 6.2s
  • 0 a 160km/h: 16.1s
  • 0 a 400m: 15.5s @ 152km/h
  • 0 a 1000m: 27.3s @ 195,2km/h
  • Velocidade Máxima: 230km/h

Fonte: Revista Autocar, Agosto de 1986

Autor: Emerson Martinez

 





Lancia Delta Integrale HF 1988

17 03 2010

Lancia HF Integrale: Bom desempenho que não custa milhões...

Quando nasceu no final dos anos setenta, a Lancia Delta parecia ser apenas mais um Hatch europeu, tração dianteira, potência de apenas dois dígitos, e nenhum apelo esportivo. Porém tudo mudaria no ínicio dos anos 80, com as escabrosas provas de Rali do Grupo B, minúsculos carrinhos com potências de 500, 550 até 600cv decolavam em declives, matavam espectadores, e que capotavam infinitas vezes no ar,  no solo,  e morro abaixo…

A Lancia que já possuia experiência em ralis de outros carnavales, não quis ficar de fora desta insanidade e lançou uma variante do Delta, o Delta S4 com um potente motor central e tração integral, homologando poucas unidades pra rua e correndo a Mach 1 por vielas estreitas. No entanto em 1986 a FIA decidiu por um fim a matança automobilistica do Grupo B e amansou via regulamento os carros que ali competiam. Estava aberto o caminho para uma Lancia um pouco mais racional, se é que racionalidade é atributo do temperamento italiano.

Jackill & Hyde: A partir do Integrale fizeram esse monstrinho de 580cv...

Quando surgiu em 1979 a Lancia Delta tinha cara de carro de firma...

Com provas as provas de rali mais civilizadas, a Lancia Delta não tomou conhecimento da concorrência, e faturou todos os campeonatos de Rali entre 1987 e 1992. A famosa pintura Martini e as rodas ‘ralo de banheiro’ eram o uniforme desta bela regazza. Já para a rua o modelo ganhou tração integral e um motor multiválvulas turbinado e pra lá de torcudo que com menos de 200 cv acelerava até os 100 km/h em meros 6 segundos.

Era um desempenho tão forte que muitos dos seus rivais nem eram da mesma gama, como os cupês Audi Quattro ou a BMW M3, (Na época o Golf GTI nem sonhava em se meter com a fera). A Delta era um dos poucos carros italianos de bom desempenho que não custava os milhões de Lamborghinis e Ferraris. Foi um italiano legítimo para ser guiado pelos seus partisans mediterrâneos e não por um Sheik trilhardário das Arábias.

Com tração integral e potência decente, a Lancia é rápida até parada.

185cv e 0 a 100 em 6 segundos. Nada mal pra quem tem praticamente o mesmo DNA do Fiat Tipo.

Posando de 'santa' no Vaticano...brincadeirinha...

O pessoal da Lancia não parou por ai, e acrescentou mais cavalos no pequeno Hatch, que subiu para 215 na versão Evoluzione I. Outra versão da Delta era branca e tinha pequenas faixas laterais do patrocínio Martini dos ralis, eu cheguei a ver este modelo disparando em uma avenida de Barcelona e posso dizer que a aceleração é simplesmente brutal, não houve tempo para fotos, mas por sorte avistei outra HF dias depois.

O pique da Delta é ajudado por um diferencial chamado Torsen que opera de modo inteligente, distribuindo gradualmente o torque oferecido para as rodas que forem mais necessitadas no momento. Hoje não parece grande coisa em termos tecnológicos, mas nos anos 80 foi uma das principais razões de tantas vitórias em competições. No final de sua produção foi lançada uma versão de 230cv, a Evoluzione II de despedida em 1994, foram construídas apenas 215 unidades e só para o mercado japonês.

A Delta alçando voo em algum campeonato de Rali que venceu...

De cara com um mito: Um dos dois modelos HF que eu vi e fotografei em Barcelona...

...e esta é a versão Martini, muito rápida para minha câmera.

Evoluzione I e II os últimos modelos.

Fogazza ou Temaki? Apenas 215 felizardos japoneses compraram a última edição...

 Veredicto: Não sou nem um pouco fã de esportivos mais caros que orçamentos de pequenas nações (inclui-se ai Ferraris) acredito em sonhos possiveis, ou pelo menos quase possiveis, e a Lancia Delta é exatamente isso. Esse pequeno carrinho não é veloz só pelos números ou por mera propaganda, provou seu valor em pista ganhando 6 campeonatos de rali consecutivos. Nos anos 80 enquanto pôsters de Testarossas empoeiravam em quartos de adolescentes mundo afora, a Delta se cobria de pó a mais de 200km/h colecionando troféus ao mesmo tempo que motorizava italianos e demais europeus sem grande ônus, é sem dúvida o maior carro de rali de todos os tempos.

Observação: O video da Lancia Delta é de um programa da Hungria, então se o seu hungaro está enferrujado como o meu curta só o belo ronco da bella, capisce?

O motor é de gladiador e o interior espartano.

Ficha Técnica:

Fabricante: Lancia S.p.A, Torino – Itália

Motor:

  • Cilindrada: 2.0 Litros
  • Torque: 31kgmf a 3500rpm
  • Potência: 185cv a 5300rpm
  • Relação peso/potência: 6,48 kg/cv

Dimensões:

  • Comprimento: 3,90m
  • Largura: 1,70m
  • Peso: 1200kg

Desempenho:

  • 0 a 100km/h: 6.4s
  • 0 a 160km/h: 19.5s
  • 0 a 400m: 14.80s @154km/h
  • 0 a 1000m: 27.90s @178km/h
  • Velocidade Máxima: 209km/h

Fonte: Revista AutoCar, Fevereiro de 1988

Autor: Emerson Martinez