Subaru Impreza WRX STI 22B 1998

19 07 2010

22B: 399 campeões de Rali...

Assim como os anos 60 foram a década de ouro para os Muscle Cars, os anos 90 representaram igual júbilo para os esportivos de grande potência japoneses, os chamados “Rice Rockets” . Entre estes vamos destacar hoje o Subaru Impreza ou melhor ainda a raríssima versão 22B.

O 22B foi apresentado em 1998 para comemorar os 40 anos da montadora Subaru, conjuntamente com o terceiro título consecutivo de Rali pela WRC, isso quando os Subarus Impreza que disputavam os Ralis eram cupês duas portas e não sedãs. O modelo foi denominado 22B, pela cilindrada que era de 2.2 litros, e o ‘B’ de Bilstein, fabricante das suspensões que equipavam este Impreza.

A clássica pintura azul com rodas BBS douradas.

Tri-Campeão Mundial de Rali em 1998

Foi em apenas 48 horas que se esgotaram as 399 unidades do 22B que pouco se diferenciava externamente do WRX  “comum” a diferença mais vísivel são as bitolas dos eixos alargadas, o que lhe deu uma aparência mais “musculosa”. Aliás, não só na aparência como na prática também, O Impreza 22B debitava para quem quisesse conferir, 350cv.

Parte desta potência, ou mais precisamente 70cv, precisava ser ocultada, já que no Japão existia uma lei que restringia a potência máxima de veiculos automotores em 280cv. Potência esta divulgada em praticamente todos os grandes esportivos nipônicos, alguns tinham exatamente esta potência, outros na verdade um pouco mais.

Neste motor: 70cv ocultos...

E haja pinça pra estancar o garoto!

Este Subaru tinha de fábrica o que muito playboy se mata para instalar em suas fabriquinhas de multas, senão vejamos: pneus 235/40 ZR17 Pirelli P Zero, embreagem de cerâmica, já falamos da suspensão Bilstein, rodas BBS douradas, e claro o item mais importante um motor boxer de 4 cilindros que se bobear despacha até BMW M3…

Dos escassos 399 modelos, 25 foram exportados, a maioria para o Reino Unido e tinham a inscrição “Type UK” e destes 25, três receberam a placa ‘000’ (todos os 22B eram numerados) sendo que dois foram presenteados aos pilotos campeões pela Subaru na época; Nicky Grist e o já saudoso super campeão Colin McRae.

Os 2 campeões da Subaru ganharam seus 22B com numeração '000'

Já eu não posso presentear vocês com um 22B, mas fica aqui um wallpaper...

Na minha opinião o 22B é o melhor Impreza já lançado, uma pena que em versão limitada, nos EUA tentaram inclusive reproduzir parte deste “pacote” em outros WRX. Mas não tem jeito, pra ter possuído um só disputando a tapa com um japonês na porta da Subaru em 98, ou sendo campeão mundial de rali.

Videos: Um video em duas partes explica em detalhes o carro, depois um super comparativo com ele, Jeremy Clarkson do Top Gear, e pra fechar uma volta com Colin McRae, o eterno…

O melhor Impreza já feito, fim de papo.

Fabricante: Subaru Automobile – Ōta, Gunma – Japão

  • Motor: 2.2 litros, 4 cilindros contrapostos
  • Potência: 350cv @ 6000rpm
  • Torque: 37 mkgf @ 3200rpm
  • Peso: 1270kg
  • Relação peso/potência: 3,62kg/cv
  • 0-100 km/h: 4.6s
  • 0-160 km/h:  11.5s
  • 0-400m: 13.1s  @ 172km/h
  • 0-1000m:  24.9s
  • Velocidade Máxima: 252 km/h

Fonte: sites www.torquestats.com e www.fastestlaps.com

Autor: Emerson Martinez





Alemanha vs. Austrália

13 06 2010

O Clássico Supercarro X Muscle Car.

Se no futebol Alemanha x Austrália está longe de ser um clássico, o contrário poderíamos dizer destes dois modelos, que teriam tudo para duelar de igual para igual na pista. Supercarro contra muscle é sempre um clássico, muito embora haja muitos pontos destoantes, como o preço de um, dinâmica em curvas do outro, etc…Mas pelo menos neste conceito da Holden (GM australiana) os “ingleses de fazenda” capricharam no Monaro. E o pessoal da AMG com o Mercedes SL65 também não deixaram por menos. Qual destes modelo mereceria ser licenciado por você? Veja e decida.

Este Mercedão tem torque para mover montanhas...

Mercedes-Benz SL65 AMG Black Series, 2009: Por mais que uma montadora aumente a potência de um determinado modelo, existirão sempre os insatisfeitos. Principalmente se esta fábrica tiver uma preparadora afiliada. A AMG pegou a já suficientemente potente Mercedes SL65 e colocou mais alguns cavalos, afim de empurrar mais rapidamente ainda os mais de 1800kg do veículo.

Este Panzer teutônico possui 670 cavalos, e pasmem, 102 quilos de torque! E limitados eletronicamente! (Pra quê???), senão o carro chegaria a inacreditáveis 122 mkgf de pura truculência. Imagine essa coisa queimando pneus? Tal manobra poderia acordar até um vulcão.

Pesado e veloz como um jogador de Rugby...

Não é a fé que move montanhas, é este motor aqui...

Fabricante: Mercedes Benz A.G – Bremen, Alemanha

  • Motor: 6.0 litros, 12 cilindros em V
  • Potência: 670cv @ 5400rpm
  • Torque: 102 mkgf @ 2200rpm-4200rpm
  • 0-100 km/h: 3.8s
  • 0-160 km/h: 7.7s
  • 0-200 km/h: 11.0s
  • 0-400m: 11.8s
  • Velocidade Máxima: 320km/h (limitados eletronicamente) pra quê???

Holden Monaro HRT Concept: O tiro que não saiu da culatra...

Holden Monaro HRT 427 Concept, 2002: Uma pena, mas alguns conceitos saem da prancheta diretamente pro museu. E o com nosso Aussie Muscle, não foi diferente. Um crime, porque esse modelo tal como foi concebido é um legítimo Stock Car moderno. Nada a ver com essas gaiolas cobertas com uma bolha de fibra de vidro, imitando mal e porcamente um modelo de rua.

Essse Monaro cupê, reúne toda a experiência de pista da Holden, na Australian Supercar V8. São 560cv em um motor de 7 litros e 79,5 mkgf de torque, muita máquina para não se comercializar, mesmo que de forma limitada, deveriam ter ousado um pouco mais e colocado esse “Musclão” pra fazer listras no asfasto. Mas esse craque foi só promessa e não entrou em campo.

7.0 litros e 560cv que mal galoparam por ai...

Esta direção está do lado errado, do outro lado do mundo...rsrsrs!

Fabricante: GM Holden Limited – Port Melbourne, Victoria – Austrália

  • Motor: 7.0 litros, 8 cilindros em V
  • Potência: 560cv @ 6000rpm
  • Torque: 79,5 mkgf @ 4800rpm
  • 0-100 km/h: 3.8s
  • 0-160 km/h:  8.4s
  • 0-400m: 11.8s
  • Velocidade Máxima:  300km/h

Video Mercedes-Benz SL65 AMG Black Series:

(Infelizmente não foram encontrados videos do Holden  Monaro HRT 427, futuramente porém, este post poderá  ser atualizado.)

Se possível dê sua opinião aqui no Punta Taco. Diga que modelo deste comparativo você mais gostou e porquê, esperamos sua participação!

Fonte: Dados das montadoras.

Autor: Emerson Martinez

 





Antigos Vs Modernos.

28 05 2010

Golfs GTI 1976 e 2004: Top Gear põe à prova distantes gerações.

Sempre com abordagens e pautas interessantes, o programa automobilístico Top Gear da BBC britânica, dá aula de como se faz um informativo com automóveis, longe desses programecos comprados que funcionam como um press-release das montadoras. Desta vez Jeremy Clarkson resolveu desafiar seu colega de Top Gear Richard Hammond para um embate de gerações, cada um apostando suas fichas em modelos iguais ou semelhantes de épocas diferentes.

O duelo começa com um ícone esportivo da Volkswagen, o Golf GTI 1976 de primeira geração e o modelo de 28 anos depois, o 2004. Os pequenos Toyotas MR1 e MR2 rivalizam os anos 80 com o novo milênio, assim como os Peugeot 205 GTI e 206 RC, e 2 outros japoneses, os cupês da Nissan 300ZX e 350Z. Também há o duelo entre as Fords alemã e britânica, com o Ford Focus RS e o Ford Escort Cosworth respectivamente.

Quem nunca imaginou um racha entre Porsches 911 de diferentes gerações por exemplo? Ou de Mustangs de diferentes décadas? Pois esta é a magia do programa Top Gear, colocar em prática aquilo que nós aficionados só imaginamos. E quem ganhou o duelo entre antigos e modernos? Confira o excelente video e descubra!

-Emerson Martinez

1992 X 2002: O Escort Cosworth enfrenta seu sucessor, o Focus RS.





Ferrari F40 1987

24 05 2010

Ferrari F40: Começa a corrida dos Supercarros...

Em 1987 a Ferrari completava 40 anos, estava há 8 sem um título da Fórmula 1, Enzo Ferrari vivia seus últimos dias e por fim a Scuderia via crescer no seu retrovisor outras grandes marcas, tentando abocanhar uma fatia do seleto mercado dos supercarros, onde a Ferrari reinava preguiçosamente sozinha.

O melhor carro da Ferrari na época era a GTO 288, tinha 400 cavalos e um bom desempenho, só que a vizinha do norte, a Alemanha, havia lançado em 1986 o Porsche 959, que nada mais era que um 911 reestilizado e alargado e com muitas melhorias tanto em potência, quanto em tecnologia. A GTO tinha seu público, mas os predicados do 959 roubaram a cena, fora que a Porsche queria o título de carro mais rápido do mundo, e a Ferrari convenhamos, não iria aceitar que lhe esfreguassem isso na cara em pleno aniversário cheio.

A F40 é tão brega quanto os anos 80...

Feirão de Ferraris F40 em Roma...

A Ferrari então copiou em parte da receita Porsche e utilizou o mesmo chassi da GTO para criar outro carro. De fato a F40 também parece uma GTO encorpada, porém ao invés de criar um monstrinho tecnológico como o 959 , a Ferrari mais purista as idiossincrasias das corridas deixou a F40 tão tosca quanto um carrinho de “rolimã” chegando ao desaforo de colocar uma cordinha para abrir as portas internamente…

Em termos de estilo nada a acrescentar, a F40 era tão brega quanto um grupo de rock progressivo e seus integrantes com corte de cabelo mullet, mas o 959 também não fugia a esta regra. Ambos inclusive eram mais feios que os seus modelos base. Porém eram algo mais velozes e caros, e status era o que ambas marcas buscavam.

A F40 chegou com o preço base de US$ 360 mil e com o anúncio de que seriam fabricadas somente 400 unidades. Mas o impacto do seu lançamento foi grande e seus números de performance empacotaram de vez o eficiente alemão 959, batendo a barreira dos 320km/h a F40 tornou-se o carro mais veloz do mundo.

O mais rápido carro da década perdida: 320km/h

Um Supercarro italiano em Paris.

Mas mesmo se você achasse uma maleta com 360 mil dólares não significava que poderia comprar uma F40. A Ferrari tinha outras exigências como possuir outros 2 modelos Ferrari e também você tinha que ter referências de outros clientes Ferrari. Na verdade eu ousaria dizer que a F40 como seus sucessores, como F50 e Enzo, não são vendas mais sim concessões que a Ferrari faz. Esses carros mesmo na garagem de seus “donos”  ainda pertencem a marca de Maranello.

Em questão de meses porém, o preço do modelo subiu até atingir US$ 1,6 milhão. Inúmeros pedidos de magnatas, sheik’s árabes, marajás indianos, pilotos, ex-pilotos, etc, fizeram com que a Ferrari produzisse modelos F40 “a todo vapor” atingindo a produção total de 1315 unidades, não são números de um Toyota Corolla, mas nada mal para um carro de preço salgado e feito a mão.

A F40 foi o último projeto que o Commendatore Enzo Ferrari acompanhou, o teimoso e rabugento velhinho partiu em 1988. Ele sempre esnobou um pouco seus próprios carros de rua, vendo-os como um meio de adquirir fundos para os custos das corridas.

Carro de rua mais veloz, já em LeMans...

Mais confortável que carros alemães, como a Kombi por exemplo...

Motor V8, 2.9 litros e 478 cavalos, baita small block...

O motor deste ‘Shrek’ vermelho era um V8 de 2.9 litros com biturbo com 1,1 kg de pressão (Olhem ai Apzeiros…) e 478 cavalos, mais do que suficientes para sustentar seu título de carro mais veloz das ruas. Maaasss na pista, para a Ferrari a história é sempre diferente quando se trata de modelos turismo. A F40 foi um magnifico fracasso nas 24 horas de LeMans.

A F40 competiu em 1995 e 1996,  no primeiro ano a melhor colocação das Ferraris F40 que competiram, foi um décimo segundo posto, no ano seguinte um longinquo trigésimo quinto, pouco para uma Ferrari que fôra durante 7 anos o carro mais veloz do planeta. Porém é necessário lembrar que em 1995 a F40 já estava descontinuada e havia outros carros muitos rápidos, alguns mais até que a própria F40.

Uma F40 chegou a desembarcar no Brasil, comprada pela Fiat brasileira o carro ficou exposto no Salão do automóvel de 1990. Foi o primeiro modelo Ferrari que este blogueiro viu, mas sem me abalar muito, logo fui ver o novo modelo de Cadillac Fleetwood em outro estande. Pouco se sabe do destino final deste Ferrari, dizem  que o então presidente Fernando Collor o havia comprado, outros dizem que ainda está com a Fiat, fato é que o modelo sumiu dos olhos do público.

Curto, baixo e largo como todo supercarro...

Orfã: A F40 foi o último lançamento de Enzo Ferrari...

A F40 e os Tifosi italianos. (Muitos deles na verdade andam de Peugeot 206 ou de Fiat Punto)

O maior legado da Ferrari F40, foi o de inciar uma corrida entre muitas marcas de Supercarros para se lançar o mais rápido “automóvel de passeio” do mundo. Supercarros já existiam antes da F40, mas foi com ela que a alta performance começou a ganhar vulto. Ferrari, Porsche, Lamborghini Bugatti e outras tantas marcas pequenas do gênero, se esmeram ainda hoje para lançar modelos cada vez mais velozes e exclusivos.

A F40 deixou de ser fabricada somente em 1992, muito além das expectativas iniciais. Mas mal a Ferrari havia aposentado a F40 e a McLaren lançou o carro que acabou destronando os italianos, o McLaren F1, que segundo muitos era um F1 de rua, exageros à parte. A história da Ferrari F40 já havia sido contada.

Fosse eu muito, muito rico e já tivesse uma coleção de carros quase completa. Eu teria uma F40 só pra umas voltinhas, como eu não gosto de Ferraris, pra mim a F40 seria como a também italiana mortadela, a gente prova e curte por um instante e depois fala mal o restante do tempo.

Videos: Top Gear, Fifth Gear, comparativos com o Porsche 959, e avaliações, aqui tem quase tudo sobre o feioso “Rocky Balboa”  da Ferrari.

Ficha Técnica

Fabricante: Ferrari S.p.A – Maranello, Emilia–Romagna – Itália

Motor

  • Cilindrada: 2.9 litros, 8 cilindros em V
  • Torque: 58,8 kgfm @ 4500rpm
  • Potência: 478cv @ 7000rpm
  • Relação peso/potência: 2,30kg/cv

Dimensões e Peso

  • Comprimento: 4,43m
  • Largura: 1,98m
  • Altura: 1,13m
  • Peso: 1100kg

Desempenho

  • 0 a 100km/h: 3.7s
  • 0 a 160km/h: 7.8s
  • 0 a 400m: 11.7s @ 200km/h
  • 0 a 1000m: 21s
  • Velocidade Máxima : 323km/h

Fonte Dados Técnicos: www.torquestats.com

Autor: Emerson Martinez





Ciao Viper…

12 05 2010

599XX: "Piò veloce"

Ciao mesmo…além da aposentadoria do Dodge Viper, não muito tempo depois da aquisição da Chrysler pelo Grupo Fiat, a Ferrari pertencente ao mesmo grupo (e de mesma nacionalidade) bateu em Nürburgring o recorde que antes era do Dodge Viper ACR. Será um recado implícito dos europeus? Do tipo: “Somente nós podemos construir Supercarros?”

Digo isso porque sempre percebi em programas de TV e Top Gears da vida, que além daqueles velhos clichês contra carros americanos sobre seu suposto pior acabamento, pior dinâmica em curvas, etc. Eles sempre também se mostraram um tanto incomodados pela habilidade americana em oferecer carros muito potentes e velozes por um baixo preço.

Ao que interessa, a Ferrari 599XX cumpriu, os mais de 20km de Nürburgring, em 6 minutos e 58 segundos, foi a primeira vez que a barreira de 7 minutos foi quebrada por um carro de produção. O Viper ACR ficou agora com o segundo posto e não podemos dizer que não foi por muito, seu tempo era de 7 minutos e 22 segundos.

Uma das razões, claro, é a diferença de potência. O carro de Maranello tem um V12, 6 litros e 700cv, enquanto que o de Detroit possui um V10, 8.4 litros e 600cv. Convenhamos, 100cv de potência de diferença contam muito, ainda que algum tifosi vá argumentar que suas macchinas são muito superiores…

Diferenças entre a 599XX e o modelo "comum"

Tudo uma péssima notícia para mim, fã de Muscle Cars e dos modelos Mopar (e nada fã de Ferraris…), comemorei muito quando em 1992 a Dodge lançou o Viper em 1992, terreno que nos EUA a GM reinava sozinha com seu Corvette. Porém hoje muita tristeza, pois o “Dodjão” de 10 cilindros se aposenta e ainda destronado da mítica pista alemã.

OS VIDEOS

DODGE VIPER ACR:

ACR: 7 minutos e 22 segundos.

FERRARI 599XX:

599XX: 6 minutos e 58 segundos.

-Emerson Martinez





Renault Clio Sport V6 2003

10 05 2010

Clio V6: "Allez le bleu!"

Alguns de vocês  que sempre observam Renaults Clio pelas ruas do Brasil, talvez imaginem se pode existir um hatch mais sem graça. Carro de patricinha que entrou para faculdade, carro de instalador de TV a cabo…enfim, nada de excitante pode vir de um Clio, o motor é fraco, dentro dele muito plástico, fora que custa muito pelo tédio que oferece.

Para sorte dos que têm sangue na veia, no ínicio da década passada, a Renault francesa teve uma ótima idéia. A de criar um carro com motor e tração traseiros, motor de 3.0 litros, 6 cilindros em V e apenas 2 lugares. Não, não era um novo carro, como um roadster por exemplo, mas sim aquele Clio chato do qual falávamos. Nem a idéia de transformar um hatch num Hulk era nova. A Renault já havia feito o mesmo no seu antigo Renault 5 nos anos 80.

De Hatch a Incrível Hulk em apenas 5.8 segundos...

Um Clio com motor V6 e 3.0 litros? "Só se for na França."

O motor em questão é de um Renault Laguna, só que este é algo maior (4,6 metros) no ‘petit’ Clio o motor foi para trás. Com isso perdeu-se o banco traseiro, e embaixo do capô na frente, herdou-se um “porta-luvas” um pouco maior. Praticidade, que é o trunfo desses pequenos e ignobéis carrinhos urbanos, torna-se um palavrão quando se fala no Clio V6. Além de espaço para somente duas pessoas e alguns pensamentos, ele tem um “metabolismo” muito acelerado, necessitando ser abastecido a cada 480km.

Tamanha sede vem dos seus 255cv,além disso o hatch ficou com nada menos que 1400kg, por volta de 300kg mais pesado que o Renault Clio Sport 172 (A versão esportiva, menos esportiva). A carroceria ficou mais alargada e era fabricada pela empresa Valmet da Finlândia. O anão com mania de grandeza era calçado com rodas aro 18, mas era dificil de esterçar, seu raio de curvatura é de 13 metros.

Ele continua sem muito conteúdo, mas pelo menos ganhou músculos...

Motor e tração traseiros como numa Brasília...

Como sabemos em matéria de “hatches-monstro” a Renault tem precedentes. Em 1980 criou o Renault 5 Turbo. Um carrinho menor que um Uno e que tinha 167 cavalos. Esse carrinho participou em 1985 na categoria de Ralí do Grupo B. No entanto, no caso do Clio V6, as ambições foram menores. Ele participou apenas de uma categoria monomarca, a Renault Clio V6 Cup, semelhante as copas Clio espalhadas pelo mundo das versões ditas “normais.”

Produzido de 2000 a 2005 o Clio V6 se restringiu a nichos do norte europeu que curtem essas saudáveis sandices. No incio de sua produção havia o V6 Mk I, um pouco menos potente (226cv) e depois este Mk II que era em 2003 o Hatch mais potente  e veloz do mundo, deixando para trás concorrentes como o Golf R32. Rei morto, Rei posto? Não, essa história de reinado não é muito a dos franceses (lembra do Robespierre?) O Clio V6 não teve sucessor a altura e ficou para a história como Hatch mais veloz da Renault.

Tal pai tal filho? Embora mais poderoso o Clio V6 não teve a mesma carreira nas pistas que o "seu velho" O Renault 5 Turbo.

Nada mais a dizer, bom talvez agora você olhe com outros olhos aquele Cliozinho da Telefônica na esquina da sua rua. Mas consciente que este V6 é outra coisa completamente diferente e emocionante.

Video: Uma irreverente avaliação do melhor programa de automóveis do mundo. O Top Gear da BBC, no volante Jeremy Clarkson. Confira que até um parrudo Land Rover é mais manobrável que o Clio V6, no circuito Top Gear, o misterioso piloto Stig com o Clio V6 iguala o tempo de um Aston Martin Vanquish.

Ficha Técnica

Fabricante: Renault S.A. – Estrasburgo, Alsácia – França

Motor

  • Cilindrada: 3.0 litros, 6 cilindros em V
  • Torque: 30,8mkgf @ 4650 rpm
  • Potência: 255cv @ 7150 rpm
  • Relação peso/potência: 5,49kg/cv

Dimensões e Peso

  • Comprimento: 3,83m
  • Entre-eixos:  2,53m
  • Peso: 1400kg

Desempenho

  • 0 a 100km/h: 5.8s
  • 0 a 160km/h: 14.2
  • 0 a 400m: 14.6s @ 157km/h
  • Velocidade Máxima: 246,1km/h

Fonte Dados Técnicos: www.torquestats.com

Autor: Emerson Martinez