DMC DeLorean 12 1981 (De Volta Para o Futuro)

1 09 2012

Reconhecimento tardio: quando ficou conhecido mundialmente o DeLorean já estava fora-de-linha.

Idealizado por John DeLorean, que desenvolveu o Pontiac GTO em 1964 o DMC DeLorean 12 surgiu como grande promessa de esportivo inovador tal qual o famoso muscle-car, no entanto, o peculiar automóvel de aço escovado não teve a mesma história bem sucedida para contar. Não foi um sucesso de vendas, nem antecedeu toda uma categoria de veículos.  Quando saiu da General Motors, DeLorean teve a ideia de construir seu próprio automóvel, e buscou locais onde poderia instalar sua pequena planta, cogitou-se iniciar a produção do exótico carro em Porto Rico, mas a Irlanda do Norte, no Reino Unido, lhe concedeu US$ 100 milhões em incentivos e o carro viria a ser produzido então em Belfast em 1979.

Apesar do seu estilo arrojado e um tanto futurista, o carro já nascia com vários problemas técnicos e de acabamento, que iam desde a dificuldade de lavá-lo (aço escovado? Como assim?), até o fechamento das pesadas portas asa-de-gaivota sustentadas cada uma por um parco ‘amortecedorzinho’ que com o tempo de uso afrouxava. O carro internamente era uma pequena estufa, já que o seu motor era traseiro e interno e o motorista enclausurado pelas enormes portas cujas janelas possuíam apenas uma pequena abertura ficava no limiar de chocar um ovo.

Respirar dentro do DeLorean era item opcional.

Se o ar entrava com dificuldade, a água não, sua vedação era a mesma de uma bicicleta em dia de chuva, mas ao menos se esta chegasse após um dia de calor no verão acabaria justamente compensando a falta de ventilação do carro. Para não dizer que o esportivo era só problemas, seu sistema de suspensão era muito bom, constituído por uma suspensão independente e amortecedores telescópicos inspirados nos da Lotus Espirit. O desempenho também era satisfatório para um esportivo com seu nível de potência e para sua época de vacas magras para os fãs da performance.

O DeLorean, embora construído na Europa destinava-se principalmente para o mercado americano, e seus exigentes consumidores não tardariam a reclamar das deficiências do carro (Recall? ahahahaha) as vendas despencaram, e a publicidade ruim estava na ordem do dia, o golpe final foi o escândalo envolvendo seu idealizador, John DeLorean pego em uma câmera escondida fazendo uma transação de drogas. A fábrica DMC em Belfast fechou deixando para trás uma dívida de US$ 37 milhões, e o carro deixou de ser produzido em 1983 após apenas 3 anos e 6500 unidades vendidas.

Nunca é tarde para começar? Mentira!

Fama no cinema: A vitória de Pirro do DeLorean…

Em 1985, quando o grande público nem lembrava mais do pobre DeLorean, eis que surge uma super produção cinematográfica dirigida por Robert Zemeckis, produzida por Steven Spielberg e protagonizada por Michael J Fox chamada ‘De Volta para o Futuro’ , um filme de ficção científica com ares de comédia e ação, cujo o tema era viagem no tempo, e adivinhem qual seria a máquina do tempo? Um malfadado projeto descontinuado de uma pequena fábrica envolvida em falhas técnicas e escândalos criminais, coisa impensável nos dias atuais onde grandes corporações pagam jabás milionários para que seus produtos apareçam nas produções de cinema justamente com o intuito de promover o seu sucesso, a franquia 007 que o diga.

O DeLorean ainda figuraria praticamente como um dos personagens das duas outras continuações do filme e naquela altura todos já se perguntavam; que carro era aquele? Onde estavam vendendo? E qual era a decepção quando os fãs do filme descobriam que aquele incrível carro, que foi do velho oeste aos anos 2010 (Hoje!) já era história em termos mercadológicos, um sucesso tardio e pouco produtivo para salvar a verdadeira imagem do carro…será?

Fluxo capacitor…porque John DeLorean não pensou nisso???

Nunca é tarde pra recomeçar? Verdade!

DMC Texas: O futuro é agora!


Uma empresa chamada DMC Texas, localizada em Humble, Texas (ah vá!) resolveu em 2007 ressucitar o combalido mito do cinema DeLorean 12, porém dando uma completa repaginada no modelo, sanando muitos dos seus defeitos, tais como a substituição do aço escovado por um material menos insalubre para sua limpeza. A empresa monta apenas 20 unidades deste modelo por ano, meta mais realista se levarmos em conta o tipo de carro e o mercado o qual está inserido. Eles também atualizaram o desempenho do esportivo, o antigo modelo possuia um motor Volvo V6 que tinha 150cv para o mercado europeu e 130cv para o americano, o modelo atual possui um outro conjunto mecânico que entrega potências entre 260 a 300cv.

A DMC Texas diz que esta não é uma reconstrução literal, o interior do carro foi todo modificado e modernizado, apenas a estrutra básica e o desenho são os mesmos, eles também oferecem outra coisa que nunca existiu no antigo, opções de cores, tudo ao gosto do cliente já que o carro é produzido sob encomenda. E assim um carro condenado e que rodava apenas nos filmes e na imaginação dos muitos fãs de uma trilogia de cinema finalmente retorna para seu papel mais importante, “de volta para a vida” com o perdão do trocadilho…

Nota: Aqui postaremos duas fichas técnicas de desempenho disponíveis, a do antigo modelo DeLorean comum com especificação europeia e o carro do cinema, que além de estar na norma ambiental americana (isto significa na prática menos potência) é mais pesado devido suas parafernálias tecnológicas usadas no filme, portanto se nota grande diferença de desempenho.

DMC DeLorean 12 1981 (Modelo Comum)

A DMC Motors em Belfast

Motor:

  • 6 cilindros em V, 2.8 litros
  • Potência: 150cv @ 5500rpm
  • Torque: (n/d)
  • Potência especifica: 53,5 cv/litro

Dimensões e Peso:

  • Comprimento: 4,21m
  • Largura: 1,85m
  • Entre-eixos: 2,40m
  • Altura: 1,14m
  • Peso: 1230kg

Desempenho:

  • 0 a 100km/h: 9.6s
  • 0 a 160km/h 23.2
  • 0 a 400m: 16.5s @ 136km/h
  • Velocidade Máxima: 201km/h

DMC DeLorean 12 1981  (De Volta Para o Futuro)

Números de desempenho ‘paquidérmicos’ para o nosso astro

Motor:

  • 6 cilindros em V, 2.8 litros
  • Potência: 130cv @ 5500rpm
  • Torque: 22,1 kgf @ 2750rpm
  • Potência específica: 46,4cv/litro

Dimensões e Peso:

  • Comprimento: 4,21m
  • Largura: 1,85m
  • Entre-eixos: 2,40m
  • Altura: 1,14m
  • Peso: 1551kg

Desempenho:

  • 0 a 100km/h: 14.1s
  • 0 a 160km/h: (n/d)
  • 0 a 400m: 19.4s @ 113km/h
  • Velocidade Máxima: 177km/h

Fabricante: DeLorean Motor Company, West Belfast, Irlanda do Norte – Reino Unido

Fontes dados: Revistas Car & Driver edição especial Supercarros e Quadro Rodas Carros Clássicos, Junho de 1996

Não esqueçam de visitar e curtir nossa fanpage no Facebook! https://www.facebook.com/WorldClassicCars, onde estarão postadas mais imagens do DMC DeLorean e muitos outros clássicos!

Por Emerson Martínez





Kia Pro-Cee’d 2008

27 08 2012

Kia Pro-cee-d : O eslovaco mais coreano que você já viu…

Foi-se o tempo no qual os asiáticos (leia-se coreanos e japoneses) exportavam seus carros ao velho mundo, hoje eles têm dezenas de fábricas instaladas em diversos países europeus, principalmente os do leste.  O Kia Pro-cee’d foi inteiramente desenvolvido e produzido por europeus e para europeus, no vasto porém concorrido mercado de hatches, e se por um lado esse “filho de imigrantes coreanos” não é nenhum Golf GTI, por outro, encanta pelo baixo preço e um desempenho competente . A unidade referência no teste é o modelo CRDi 2.0 Emotion, versão Diesel destinada ao mercado espanhol. Confiram os números a seguir:

Motor:

  • 4 cilindros em linha, 2.0 litros
  • Potência: 140 cv @ 3800rpm
  • Torque: 31,1 kgf @ 1800rpm
  • Potência específica: 70 cv/Litro

Dimensões e Peso:

  • Comprimento: 4,25m
  • Largura: 1,79m
  • Altura: 1,45m
  • Entre-eixos: 2,65m
  • Peso: 1440kg

Desempenho:

  • 0 a 100 km/h: 9.18s
  • 0 a 120 km/h: 13.29s
  • 0 a 160km/h: 26.68s
  • 0 a 400m: 16.64s @ 135 km/h
  • 0 a 1000m: 30.79s @ 168 km/h
  • Velocidade Máxima: 205 km/h

Fabricante: Kia Motors Slovakia – Žilina, Eslováquia

Preço em 2008: 20.865 euros (Espanha)

Fonte Dados:  Revista Auto Pista, número 2.536, 19 a 25 de fevereiro de 2008 – http://www.autopista.es

Kia Brisa 1974: O passado da indústria automotiva coreana e muito mais você encontra na nossa fanpage no Facebook!

Não deixe de visitar e curtir nossa fanpage no Facebook! Muitas imagens de clássicos do mundo inteiro, confira!

https://www.facebook.com/WorldClassicCars

Por:  Emerson Martínez





Ford Maverick GT 1974

25 08 2012

Ford Maverick GT: de fracasso a mito.

Em menos de 6 anos o Maverick passou de grande lançamento da Ford para a história, fracasso em vendas, este belo Ford sofreu assim como muitos de seu segmento, a desvalorização e o sucateamento nos anos 80 e 90. Mas logo após elevado a condição de mito, afinal o  carro era bom, mas sofreu por ter sido equipado pelo arcaico motor Willys e também fora lançado aqui tardiamente, já a beira da crise energética de 1973.

Nada disso tira o mérito do Maverick nas pistas brasileiras, nem sua pegada “Muscle”, o Maverick foi o ‘Mustang’ possivel para aquele Brasil fechado, autoritário e de gasolina ruim e cara.  O Maverick GT é de longe o melhor Ford esportivo já lançado no Brasil, seus números de perfomance o colocava entre os melhores dos anos 70, e ainda hoje soam atuais, que o digam Civics LXL, e qualquer versão do Corolla nacional.

Motor:

  • 8 cilindros em V, 5.0 litros
  • Potência: 199 cv@ 4600rpm
  • Torque: 38,5kgf @ 2400rpm
  • Potência específica: 39,8 cv/litro

Dimensões e peso: 

  • Comprimento: 4,58m
  • Largura: 1,79m
  • Entre-eixos: 2,61m
  • Altura: 1,36m
  • Peso: 1390kg

Desempenho: 

  • 0 a 100km/h: 11.2s
  • 0 a 120km/h: 16.1s
  • 0 a 160km/h: 37s
  • 0 a 400m: 17.3s @ 125.9km/h
  • 0a 1000m: 33.9s @ 153.2km/h
  • Velocidade Máxima: 193.7 km/h

Fabricante: Ford do Brasil S/A, São Bernardo do Campo, SP -Brasil

Fonte dados: Revista Auto & Técnica, número 14 – Ano 1996

Fords e outros nacionais que fizeram história na nossa fanpage World Classic Cars!

Curta nossa fanpage no Facebook! Lá você encontrará imagens e publicidades raras de clássicos nacionais e importados!

https://www.facebook.com/WorldClassicCars

Vejo vocês lá!

Por Emerson Martínez





Fords Brasileiros/Brazilians Fords

24 08 2012

Ford F100: Tradição americana Made in Brazil.

(Português-BR)

A Ford começou a montar carros no Brasil em 1919, e começou a fabricação completa em 1958 com os caminhões série F. O estilo “bumpside” foi introduzido no Brasil em 1972 e continuou até cerca de 1992. Os primeiros motores eram da família Y-Block V8, mas em meados dos anos setenta o Y-Block foi abandonado e as F-100 era movidas pelos motores Lima 4 cilindros e 2.3 litros e a nova F-1000 também tinha um motor diesel de quatro cilindros. Esta é uma F-100 1973, modelo similar as primeiras F100 americanas de 1967…

(English)

Ford first assembled cars in Brazil in 1919, and began full manufacturing in 1958 with F-Series trucks. The 1970-style “bumpside” was introduced in Brazil in 1972 and continued until about 1992. At first power was from the family of Y-Block V8s, but in the mid-Seventies the Y-Block was dropped and the F-100 was powered by the Lima 2.3 I-4 and the new F-1000 was a four cylinder diesel model. This is a 1973 F-100 brazilian model similar to the first 1967 F100 models…

Para mais Fords clássicos brasileiros curta nossa fanpage no Facebook/For more classic brazilian Fords enjoy our fanpage on Facebook:

https://www.facebook.com/WorldClassicCars

Por Emerson Martínez





Plymouth Barracuda 1972

23 08 2012

Plymouth Cuda 1972: Fim de festa para a Chrysler.

Ao contrário do Pontiac Tran-Am/Formula que manteve uma performance digna até 1974, os pôneis das divisões Chrysler; Dodge Challenger e Plymouth Barracuda experimentaram uma queda abrupta de desempenho a partir de 1972, com a extinção de todas as opções big-block (383, 440 e Hemi) ficando apenas com o 340 como motor ‘top’ com 245cv, logo depois, a cilindrada cúbica subiria para 360 em 1974. Segue abaixo o teste da Car & Driver americana do Plymouth Barracuda de 1972 o que viria a ser o ínicio do fim para esses fantásticos exemplares da Mopar.

Motor: 

8 cilindros em V, 5.5 litros.
Potência: 245cv @ 4800rpm
Torque: 42kgfm@ 3600rpm
Potência específica 43cv/litro.

Dimensões e Peso:

Comprimento: 4,73m
Largura: 1,90m
Entre-eixos: 2,74m
Peso: 1596kg

Desempenho:

0 a 100km/h: 6.9s
0 a 160km/h: 19.5s
0 a 400m: 15.5s @ 146,7km/h
Velocidade Máxima: 201,1 km/h

Fabricante:

Divisão Chrysler-Plymouth, Detroit – MI, Estados Unidos

Preço em 1972:  US$ 3937.39

Fonte: Livro Car and Driver, American Road Warrior (Classic Muscle Cars)

Curta nossa fanpage de carros clássicos no Facebook! 

https://www.facebook.com/WorldClassicCars

Por Emerson Martínez





A Fénix!

22 08 2012

Visite nossa fanpage de carros clássicos no Facebook!

Pessoal, é com grante satisfação que retomaremos as atividades neste blog, novas matérias, publicação de testes, e muitas novidades como por exemplo nossa fanpage no Facebook, a Word Classic Cars onde há foram postadas mais de 2000 imagens de carros clássicos do mundo inteiro, dividos por álbuns e países em imagens raras e em sua maioria grandes e/ou de alta resolução. Vão de  automóveis de grandes potências automobilístcas a até pequenas nações produtoras, entre nossas raras imagens foram publicadas muita publicidade antiga também. Vale a pena conferir, curta nossa página!

https://www.facebook.com/WorldClassicCars

Pedimos desculpas aos que acompanhavam nosso blog, vamos voltar de forma definitiva após quase 2 anos! É o corre-corre da vida, mas enfim quem curte automóveis esportivos, luxuosos antigos e as grandes marcas mundiais sempre será bem-vindo aqui e encontrará sempre coisas interessantes. Obrigado à todos e nos vemos amanhã!





Salão do Automóvel 2010

11 11 2010
Nunca na história desse país se vendeu tanto carro…

Venha você de carro ou metrô até o salão do automóvel, não importa, não há como não sentir aquela ‘depressãozinha’ pós-evento. Não só pelas máquinas mais desejadas ou pela beleza das modelos, mas também em algumas versões e opções que as montadoras expõem no salão, e que nunca de fato vemos no mercado. Chamou a atenção a invasão chinesa com 8 estandes, um país que até pouco mais de duas décadas não tinha uma produção automotiva de massa. As atenções estão voltadas agora para a penetração desses modelos no mercado brasileiro, principalmente em questões como qualidade de construção e segurança, se bem que nesse campo os automóveis brasileiros não são muito melhores…

Destacamos alguns modelos, mas de antemão aviso que aqui vocês não irão ver em destaque muitos supercarros que chamam mais atenção pelo preço do que pela performance, nem carrinhos esquizóides, ecochatos, e veículos igualmente mediocres e que geralmente são os preferidos por gente muito leiga e /ou “prática”.
 
 
Audi RS6 Avant
 
Um segmento praticamente extinto no Brasil, mas ainda com muita força na Europa, as Station Wagons, ou simplesmente peruas, que aqui foram aniquiladas por essa coisa alta, estreita e amorfa chamada monovolume. Em mercados mais evoluídos como a Alemanha, elas não só seguem firme, como também ganham opções de sonho, que pouco se fodem lixam para as emissões da Controlar ou para as leis de mercado. A Audi queria construir a perua mais veloz do mundo e conseguiu. São 500 unidades da RS6 Avant, cada uma com tração integral e 580cv, 2 toneladas de requinte, tecnologia e muito espaço interno para toda a familia, se você teve a péssima “Idea” de adquirir essas torradeiras com rodas, se corte agora com o melhor de Ingolstadt…
Audi Avant RS6: Muita potência e agressividade contra os que querem matar as peruas.

Essa perua nenhum monovolume tira da pista...

Audi RS5
 
Outro segmento morto no Brasil, cupês médio-grandes, e este outro modelo Audi, praticamente explodiu todas as cabeças cheias de confetes dos donos de Corolla, senão vejamos: ele é grande (4,65m), potente (450cv), vermelho (esta opção não existe na palheta de cores nos cérebros de muitos), e belo (virtude que é a principal causa de desvalorização no mercado nacional). Se a frota prateada de nosso trânsito cansa a beleza, o RS5 nos enche os olhos, é na minha modesta opinião o cupê mais belo do mundo em produção.

Audi RS5: Se você acha que Corolla é carro e que carro é investimento evite olhar para esse Audi.

A paixão tem número: 450cv...

 
 
Dodge Challenger Hemi  SRT
 
Ah malandro! Eu achei que a única oportunidade que eu teria para entrar em um muscle-car, e sentir o cheiro de 0km seria voltando no tempo. Mas depois de um hiato de 30 anos eu sentei no banco do motorista de um modelo Dodge, a última vez havia sido em 1980 quando eu com apenas 6 anos viajei em um Dodge Dart com meu avô e seu amigo até Indaiatuba. Só faltou eu guiar esse belo Challenger até lá também. A primeira coisa que chama atenção é o tamanho, são 5,02m contra 4,85 do antigo. O novo modelo também é mais alto, mas o espaço no banco de trás, assim como o antigo é limitado. Outra coisa em comum com o clássico é a potência (425cv) mas com um motor menor (6.1 litros) menos 900 cm³, ou menos um  cortador de grama   Celta embaixo do capô.

Mopar or your car....

"Vestindo" o Dodjão

Quisera eu ser o Kowalsky e arrancar com esse Muscle do salão...

 

Emerson Martinez

 








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.